terça-feira, 18 de setembro de 2012

As mênades


Conto publicado numa Palumbo aí, não lembro qual. 

***

O álcool diluía em suas veias quantidades generosas de metanfetaminas, antidepressivos, estimulantes, psicoativos, alucinógenos e o que mais enfeitasse prateleiras de farmácia com uma tarja preta sensual. Dava para sentir o sangue circulando, como se brincasse de tobogã, milhares de minúsculas agulhas de gelo trespassando o corpo rumo à superfície da pele. Pode parecer estranho, mas era uma sensação gostosa.

A porta tremia a cada batida da música e a vidraça da janela zumbia levemente. Mesmo com a festa rolando no outro cômodo, o som quase não entrava no quarto. Parecia vir de muito longe. Ou ela nem tinha mais certeza do que ouvia. Se já esteve tão chapada, foi em outra vida. Seus pensamentos, no entanto, eram claros como há muito tempo. Ela sabia o que deveria fazer agora.

***

O tédio tirou Alice de casa ao entardecer. Primeiro passou pelos botecos conhecidos, à procura de uma paquera. Uns rapazes bonitos chamaram a atenção, mas a conversa era uma merda. Pediu para ir ao banheiro, pagou a conta no balcão e saiu sem se despedir.

— Que se foda. Vou descer pra Ribeira — resmungou. Quem sabe não descobriria alguma nova espelunca?

O bairro boêmio se resumia a um emaranhado de ruas estreitas e mal iluminadas com becos ainda mais estreitos e escuros que abrigavam bordéis e boates fuleiras. Os prédios, em sua maioria datados dos anos 1950, foram erguidos sobre os escombros de casas comerciais centenárias. Algumas fachadas, decadentes e moribundas, ainda exibiam traços carcomidos de art noveau, contrastando com aqueles horríveis caixotes de tijolo nu. Aqui e acolá, um cachorro, um mendigo, traficantes em suas bicicletas e peões querendo empenhar os últimos trocados numa trepada ligeira ou num porre de cachaça.

Alice passou por um carrinho de cachorro-quente onde, na calçada, o dono disputava uma partida de xadrez e com um cliente. Mas o que realmente chamou a atenção dela foi a moça que acompanhava o jogo. Seus dreadlocks loiros caíam por cima da careca raspada nas laterais da cabeça. Era bela o suficiente para Alice ficar por ali, pedir um rango e, quem sabe, trocar uma ideia.

— Você não é daqui, né? Se fosse, a gente já tinha se encontrado por aí.

— Não, não sou. Estou visitando uns amigos e vim curtir uma festa.

A moça em jeans apertados sorriu e, por um momento, Alice imaginou como seria mergulhar naquele olhar.

— Na Ribeira? Tem certeza? Não vi muito movimento hoje.

— Ou talvez não tenha procurado direito.

Trocaram olhares maliciosos. Ela não via problemas em curtir com outras garotas. Geralmente era mais divertido do que parar num motel barato com algum bêbado dorminhoco. A moça parece que sacou.

— Meu nome é Silene. Escuta, sei que a gente nem se conhece direito, mas duvido que você tenha saído de casa hoje para encontrar conhecidos. Não quer ir comigo até lá? — o sorriso dela derreteria gelo suficiente para elevar o nível dos mares em meio metro. Alice topou na hora.

Atravessaram um beco cheio de entulhos, fedendo a merda e mijo, para alcançar uma viela próxima ao rio. A região portuária do bairro era ainda mais decadente. Mesmo conhecendo  o pedaço, Alice estranhou aquele caminho. Silene parecia seguir para os cabarés. Eram lugares pequenos, lotados de putas velhas e bêbadas escanchadas sobre cadeiras de plástico, sorvendo doses de campari ao som de bregas antigos.

Chegaram a um prédio estreito de três andares. Nunca havia reparado no lugar antes. Silene tocou a campainha. Um segurança abriu uma portinhola e uma música abafada escorreu em busca de liberdade. Olhou para Silene, grunhiu algo e deixou-as entrar.

No primeiro andar tocava um som industrial que deixaria o Ministry parecendo Balão Mágico. O ambiente era quente e envolvido numa névoa que tanto podia ser de cigarros ou gelo seco. Estava lotado, mas Alice não conhecia aquela gente. Uma luz estroboscópica piscava num ritmo epiléptico. Dirigiram-se ao balcão, onde um barman performático distribuía drinques.

Logo, Silene dançava bem próximo a ela e começou a se esfregar nas suas pernas, enquanto os rostos se roçavam de leve. O hálito dela era perfumado e doce. Alice não lembrava de tê-la visto comendo no cachorro-quente. “Porra, devo estar com um bafo de cebola daqueles”, pensou.

Silene parecia brilhar em sua dança. Encostou o rosto em seu ouvido e sussurrou: “Você precisa se soltar mais. Estamos aqui hoje para isso.” E tascou-lhe um beijo na boca. Ok, pensou, se é assim, vamos nos soltar. Retribuiu os afagos da maneira mais lasciva que conhecia. Por um bom tempo, trocaram carícias, enquanto os braços serpenteavam pela nuca, costas, quadris, seios. Outros drinques, vários deles, vieram.

— Venha — Silene tomou-a pela mão. — Chegou a hora de irmos além.

Subiram as escadas para um corredor que levava a vários quartos sem porta. Neles, almofadas e colchões encostados nas paredes e, em cada um deles, uma mesa com uma droga diferente à disposição dos visitantes. As bandejas tinham de tudo: coisas de fumar, de cheirar, de engolir, de injetar. Um por um, elas entraram e experimentaram. Os sentidos explodiram e embotaram-se e excitaram-se e confundiram-se e alucinaram-se. Alice sorriu e amou e sofreu e gozou até não sentir mais nada, nem o chão sob seus pés. Precisava de um tempo para si, precisava ficar só. Foi quando encontrou aquele quarto, vazio, solitário e silencioso.

***

No salão, todos esperavam por ela. Alice não aparentava nenhum sinal de torpor. Seu andar era firme, altivo. Começaram a dançar ao seu redor. Bebiam e gritavam. A algaravia aumentava cada vez mais. Porém, aquilo não a assustava. Nunca esteve tão em paz consigo. Do meio da multidão, Silene veio e lambeu seu pescoço. Seu perfume parecia mel e ervas. A pancada que atingiu sua cabeça espalhou uma onda de calor e um choque elétrico por todo seu corpo. Mas não dor. Dor, nunca mais. Deitada no chão, ela sentiu as mãos e unhas dilacerando sua carne, seu sangue brotando em busca de liberdade. Naquele momento, Alice gozou como se fosse a última vez.

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

poemito


tenho tido
problemas para dormir.
quando durmo,
tenho problemas
para levantar.
quando me levanto,
tenho problemas
para sair de casa.
quando saio de casa,
tenho problemas
para chegar a qualquer lugar
distante mais de 2 quarteirões.

tenho uma passeata de problemas
que, contra minha vontade,
me faz seguir adiante.


***

em colaboração do everton dantas.